Histórias e Bicicletas

Então galera, continuando com as dicas ainda na parte da música. Não é segredo pra ninguém que as vertentes do rock tem o seu espaço reservado no meu coração, por isso hoje estou aqui pra falar do último álbum de uma banda que eu curto muito, a Oficina G3. Uma banda brasileira de christian rock, com potencial de americana, os caras são demais em técnica instrumental e vocal (ainda acho que o vocalista, o Mauro, possui cordas vocais femininas pelas notas que ele alcança). Mas enfim, não vou falar sobre eles no geral, quero falar sobre Histórias e Bicicletas, seu mais recente álbum que gostei tanto que pus em título de página pras minhas histórias. Ganhei essa semana de uma amiga o cd, e fiquei simplesmente encantada, primeiro pelo design do cd que ficou fantástico, segundo pelas músicas que são incríveis, todas trazendo letras sobre "reflexões, encontros e esperança" como traz o subtítulo do álbum. Na contracapa encontrei uma reflexão bem interessante feita pelo baixista da banda (Duca Tambasco) sobre o título, gostaria de compartilhar com vocês.
   "Lembro de minhas primeiras pedaladas sem rodinhas.
    Era frio, como sempre gostei.
    Com uma das mãos no guidão e outra no selim, a medida que ganhávamos velocidade, meu pai me orientava, "olhe pra frente" e soltou. Não demorou, veio o primeiro tombo.
    Chorei...
    Olhei ao redor e ele estava ali, não muito distante pronto a me socorrer. Me pôs de pé, viu que estava tudo bem, me abraçou como quem se despede e me encorajou,
    "Vá tente mais uma vez."
    Tive medo, porém a sensação de liberdade assistida me instigava a pedalar e porquê não, voar.
    Consegui.
    Eu sabia andar de bicicleta. Eu cresci.
    Talvez tenha pensado, não preciso mais do meu pai.
    No entanto ele continuava lá, recusava-se a me deixar. Tinha o olhar sorridente e ao mesmo tempo intrigante. Misto de satisfação, realização e principalmente, saudade.
    Saudade de mim, saudade de si mesmo.
    Aquele era o elo do seu passado com nosso presente. Era mais que simples pano de fundo para nossas histórias.
    Parei...
    Antes de prosseguir, o fitei por cima do ombro. Era possível ler seus pensamentos,
    "É isso, equilíbrio meu filho, tenha equilíbrio e leve isso por toda vida."
    Bicicletas carregam mais que pessoas.
    Levam as expectativas de uns e a emancipação de outros.
    Pedalei até o perder de vista.
    Os anos me levaram para longe, o mais que pude. Não tinham pedregulhos no caminho que me tirassem a sensação de alçar voo.
    Percorri o sucesso e o fracasso, o ganho e a perda, mas de alguma maneira, sinto que ele estava perto.
    Ah, que figura presente a do meu pai.
    Minha primeira experiência de liberdade foi ele quem me deu e o seu amor me aprisionou. Só quem se entrega ao divino, entende a ligação de sentimentos tão ambíguos.
    Hoje, vejo o rodar dos pequenos aros enquanto impulsiono minha filha à liberdade.
    E o ciclo se repete...
    Ela já caiu, olhou pra trás, me procurou e eu estava lá. Sempre estarei lá.
    Logo ela irá para longe, mas aí, serei eu a assistí-la daqui, vendo-a voar, mas sempre pertinho dela."

Creio que ele não poderia ter explicado melhor, me encantei com o uso das palavras e metáforas. O cd traz as canções:
1. Diz
2. Água Viva
3. Encontro
4. Confiar
5. Não ser
6. Compartilhar
7. Descanso
8. Aos pés da cruz (versão deles da canção do cantor Kléber Lucas)
9. Sou Eu
10. Lágrimas
11. Save me from myself (cover de Capark North)
Está aí se quiserem ouvir pessoal, espero que gostem (:


Comentários

Postagens mais visitadas